Skip to content

Resumo da primeira sessão de Dragonlance

30/12/2009

O resumo da sessão, pra ter registrado quando bater alguma dúvida sobre o que aconteceu e evitar esquecimentos.

Capítulo 1: A Invasão de Palanthas

Palanthas, uma das principais cidades do mundo e onde se localiza a Grande Biblioteca, foi conquistada e dominada pelos minotauros, que pretendem usar a cidade como base para sua futura invasão do resto do continente. Como tentativa de conter o avanço dos minotauros o imperador de Solamnia (James Markham) reuniu diversos povos para lutar contra os invasores. Elfos, anões, kenders e outros se uniram ao que passaria a ser chamado de Liga dos Povos.

Os elfos enviaram tropas em troco de apoio na futura reconquista do território de Silvanesti. Eles são liderados por Kemian, um representante do líder dos elfos Gilthas.

Os anões enviaram dois exércitos devido a sua atual situação política. Existem dois Thanes principais, um em exílio (mas que seria o líder ‘por direito’) e o líder atual, que conseguiu seu posto através de manipulações políticas e atos desonrados. O Thane-em-exílio, Tarn Bellowgranite, enviou tropas esperando apoio de Markham na disputa  no poder. Elas são comandadas pelo general Duncan Slatebrin. O Thane efetivo, Jungor Stonesinger, enviou suas tropas comandadas pelo general Coalblack para tentar conseguir o apoio de Markham.

Membros de outras raças participam da Liga por motivos pessoais ou por serem mercenários contratados.

A sessão se iniciou no dia anterior à invasão. Os exércitos da Liga já circundam a cidade e se preparam para o combate no dia seguinte. Markham tem uma reunião com seus subordinados onde eles tomam as últimas decisões quanto a estratégia. Os PCs estavam nessa reunião, tendo sido dividos no comando de duas tropas com missões especiais. Um dos grupos irá destruir os barcos de carga no porto para garantir que os minotauros não consigam escapar com os espólios da cidade. O outro grupo irá ajudar na invasão da Cidade Velha, a área fortificada de Palanthas onde ficam os prédios principais do governo. Markham enfatiza para todos os oficiais presentes que o líder dos exércitos invasores, o minotauro Kyris Zhakan, deve ser capturado vivo. Com o Zhakan preso os outros minotauros irão se render.

Após o fim da reunião Markham tem uma conversa com Regdar sobre a importância da batalha. O imperador também enfatiza que sempre se esforçou para que o oficial recebesse um treinamento mais árduo que os outros escudeiros, para que um dia se tornasse um cavaleiro tão habilidoso quanto o pai. Chegou o momento de Regdar demonstrar seu valor.

A invasão se inicia na madrugada do dia seguinte. Os minotauros haviam se preparado levantado paredes improvisadas e obstáculos no meio das ruas para atrapalhar o avanço das tropas. Por isso a Liga dividiu seus exércitos em grupos menores para facilitar o deslocamento no interior da cidade.

Regdar, Talorin e Peren se dirigem para o porto. Eles encontram vários grandes barcos de carga sendo carregados por escravos humanos e protegidos por tropas de minotauros. Ao perceberem os aventureiros, os soldados formam uma barreira contra os invasores. As tropas começam a lutar. Regdar avança contra os minotauros e quebra a parede de escudos que eles haviam formado, atraindo a atenção para si. Enquanto isso, Talorin usa sua magia para pular por cima do combate e começa a destruir os barcos de carga. Peren se mantém atrás de Regdar, disparando com seu arco contra qualquer criatura que escape do alcance do cavaleiro de Solamnia.

Enquanto o kender salta de barco em barco, explodindo cascos e queimando velas, Regdar usa seu escudo para empurrar para o lado o corpo dos minotauros mortos e conseguir continuar a lutar no meio da multidão que se formou ao redor dele. Peren começa a arremessar fogos gregos nos barcos para ajudar Talorin. Trabalhando em conjunto eles conseguem destruir as embarcações antes que elas escapem da cidade.

Já nas muralhas em volta da cidade velha, Kharas, Draco e Hook tentam abrir os portões da muralha que permitirá o acesso das tropas ao centro da cidade e ao palácio onde Zhakan está. Arqueiros no topo das muralhas disparam flechas sobre as tropas da Liga, enquanto estas tentam derrubar os portões da muralha com aríetes e escalar as paredes com escadas.

Os três aventureiros sobem até o topo da muralha usando as escadas. Lá, Draco usa seu escudo para abrir caminho entre os minotauros e tentar alcançar o mecanismo que abre os portões. Kharas e Hook vão atrás dando apoio. Enquanto Draco atrai para si as flechas que ameaçam o grupo, o anão e o meio-elfo trabalham em conjunto para girar a pesada roda que abre os portões. Eles conseguem abrir uma das entradas, permitindo a entrada das tropas no centro da cidade.

Zhakan, o general minotauro, já estava preparado para o combate. Ele havia reunido suas tropas na praça central em frente ao palácio e criado um círculo em torno do local. As tropas do imperador de Solamnia, são as primeiras a chegar ao local. Elas atravessam o círculo formado pelos soldados minotauros e Markham inicia um combate contra Zhakan.

Regdar, Talorin e Peren alcançam a praça ao mesmo tempo. Eles chegam a tempo de ver Markham ser atingido pelo machado do general minotauro e ser jogado no chão, com uma grande fenda ensangüentada na armadura e com dificuldades para se levantar. Zhakan levanta seu machado e se prepara para o golpe final. Os três aventureiros atravessam a barreira dos minotauros e chamam a atenção do general. Começa um combate entre eles, onde Zhakan usa de sua força para arremessar e derrubar os personagens diversas vezes. Quando ele percebe que não vai ser capaz de derrotar o grupo, ele vira o machado contra o próprio pescoço. Os aventureiros conseguem arrancar a arma das mãos dele e o capturam.

As tropas de minotauros ao redor da praça começam a se render. Markham é levado para fora do campo de batalha para receber ajuda. A notícia da derrota do general minotauro logo se espalha e as tropas dele se rendem. Ao final do dia a batalha já está terminada.

No começo da noite Markham realiza outra reunião em sua tenda com os líderes dos exércitos e com o grupo de aventureiros. Ainda ferido, com bandagens cobrindo o peito e recebendo os outros, em um leito, ele faz um pequeno discurso sobre a importância da vitória em Palanthas. Eles agradece a todos pela sua participação nessa vitória. Ao final dele, todos se retiram para deixar Markham descansar. Exceto Regdar, que fica a pedido do imperador.

Markham agradece novamente pelo que eles fizeram e diz que está muito orgulhoso do guerreiro. Hoje ele teve certeza que o jovem se tornou um cavaleiro tão valoroso quanto seu pai.

As tropas se dividem durante a noite para ajudar a recuperar os estragos após a batalha. Existem incêndios a serem apagados, pessoas feridas a serem atendidas e resgatadas escombros e construções instáveis que precisam ser corrigidas ou derrubadas.

Kharas se reúne com outros clérigos para tratar dos feridos. Os outros ajudam a apagar os incêndios e retirar pessoas dos escombros. Talorin perambula pela cidade, procurando algo interessante. Ele entra num bairro cujas construções foram destruídas por tiros das catapultas dos minotauros e enquanto investiga os escombros, encontra uma cratera diferente das outras. Ela é muito mais funda e o chão ali parece ter sido queimado. No centro dela ele encontra uma pedra prateada grande. Curioso, ele faz alguns experimentos com ela, mas não consegue entender do que se trata.

Naquela noite Draco tem pesadelos. Ele sonha com um mundo habitado somente por dragões. O local é belo e sereno. Ele acorda depois que uma lua enorme se forma no céu e um grande terremoto abre fendas no solo.

No dia seguinte os personagens continuam a ajudar na recuperação da cidade. Markham organiza uma comemoração ao final do dia como forma de levantar a moral das tropas e da população.

Finalmente, dois dias depois da grande batalha, as tropas começam a se retirar da cidade. Markham envia a maioria das tropas na frente e escolhe partir por último da cidade. Na metade da tarde, quando a maioria das tropas já haviam ido embora, o imperador reúne o que restou dos soldados e começa a viagem para a capital. Os aventureiros viajam com ele, a pedido do próprio general.

Pouco depois que as tropas atravessarem os portões da cidade, cinco formas prateadas similares a cometas são vistas no céu azul e ensolarado. O fenômeno atrai a atenção das pessoas. Não demora a que as pessoas percebam que os cometas pareçam estar viajando na direção da cidade.

Uma quarta lua, muito maior que as outras, surge no céu. Os cometas caem sobre a cidade e se revelam dragões prateados imensos. A queda das criaturas sobre o local provoca tremores que derrubam algumas das construções mais instáveis. As criaturas não tentam dialogar ou explicar o que estão fazendo ali. A maior, que parece ser o líder, simplesmente urra e começa a atacar Palanthas, devorando humanos e derrubando prédios.

Markham reúne sua guarda pessoal e se dirige em direção aos dragões. A suas tropas o seguem. Os aventureiros recebem a ordem de ajudar a população. Depois de organizar a multidão apavorada e redirecionar as pessoas para fora da cidade, eles acabam por enfrentar um dos dragões prateados.

Os cinco dragões devastam Palanthas. Quando os aventureiros finalmente derrubam uma das criaturas, o líder dos dragões ordena a retirada e carrega o corpo dracônico morto para longe.

Markham começa a dar ordens novamente logo que o combate acaba. Uma reunião de emergência é feita com os líderes dos exércitos para tentar entender o que aconteceu. Os dragões não pareciam com qualquer dragão prateado conhecido. Durante a reunião o imperador recebe uma mensagem enviada pelos magos da capital:

“Para o Imperador Jaymes Markham,
No começo do anoitecer uma revoada de dragões negros atacou Solanthus. A capital foi tomada pelas criaturas.
Conselho de Solanthus”

O imperador decide dividir os esforços. As tropas da Liga irão tentar retomar a capital de Solamnia. Um grupo de aventureiros vai pedir ajuda dos líderes da Ordem da Alta Magia que estão na Torre de Nightlund (formado por Kharas, Draco e Hook) enquanto outro irá à frente das tropas, agir como batedores e reunir informações sobre o que aconteceu na capital (formado por Regdar, Talorin e Peren).

Enquanto isso, na capital Solanthus…

Uma figura vestindo uma armadura cinzenta observa Solanthus no topo de uma das torres do palácio imperial. Um elmo cobre seu rosto. O modelo da armadura é solamnico e antigo, o tipo que somente famílias tradicionais de cavaleiros teriam exemplares.

A capital queima após o ataque dos dragões com grandes incêndios consumindo bairros inteiros. Um oficial de menor patente se aproxima da figura de armadura. A figura possui uma cota de malha igualmente cinzenta. Seu rosto é jovem, de alguém que não deve ter acabado de deixar a adolescência. Ele se ajoelha diante da figura de armadura e repassa sua mensagem.

‘General, nós fomos bem sucedidos. A cidade foi tomada e nossas tropas estão lidando com os últimos focos de resistência. Nossas tropas já estão se distribuindo e os dragões estão se preparando para o ritual.’

A figura em armadura se afasta do parapeito e se dirige até o salão do trono. Ele passa pelos corpos dos ministros de Solamnia ainda caídos no chão. Enquanto tira o elmo, ele fala para o outro oficial:

‘Devemos nos preparar. Markham não vai aceitar que a capital seja tomada por um exército invasor. Ele vai marchar para a cidade, pronto para outra batalha.’

Ele se senta no trono, puxa o cabelo para trás com uma das mãos e depois arruma o bigode.

‘E então eu vou destruir seu exército. E os Brightblades serão os novos regentes de Solamnia.’

Anúncios
6 Comentários leave one →
  1. JOrge permalink
    30/12/2009 12:35 pm

    A primeira aventura foi muito boa e dinâmica, a todo tempo os dois grupos estavam atuando, como uma primeira vez com esse tipo de narração/jogo foi uma sucesso.
    A foto do topico está legal representa mesmo os malditos dragões chegando!

    Obs. Para mim o Bigodudo é o Sturm undead!

  2. Vinicius permalink
    30/12/2009 6:02 pm

    gostaria de saber como faço para jogar junto com vocês please

    • cesar/kimble permalink*
      30/12/2009 11:10 pm

      A gente não joga online, é jogo em mesa normal mesmo.

  3. Thiago Prietto permalink
    31/12/2009 12:31 am

    Aventura e descrição do carvalho kimble. Legal mesmo.
    Mas um tanto difícil tbm. Não deve ser muito fácil conduzir uma campanha com dois grupos se intercalando.

    • cesar/kimble permalink*
      31/12/2009 12:50 pm

      Uhum. Minha preocupação maior atualmente é conseguir fazer uma sessão que permita que todos eles façam coisas interessantes. Já percebi que é impossível fazer isso para todos os personagens do grupo, então estou me concentrando no personagem favorito de cada jogador e adicionando cenas para os outros de acordo com as possibilidades. Aliás, tenho que conversar com os jogadores sobre isso.
      Agora devem seguir duas sessões com os grupos separados e então outra com o grupo junto. Vamos ver se fica legal.

  4. JOrge permalink
    31/12/2009 1:54 pm

    Meu personagem preferido é do Paladino!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: