Skip to content

Aquela companhia maligna que faz D&D: TSR edition

23/07/2010

Tem certas coisas que vivem voltando. Falar mal dos jogos mais conhecidos, dizer que certos jogos ou modelos novos são ‘mais rpg’ que outros, dizer que tal jogo é chato e difícil, gente apontando pra alguma linha com boas vendas e fanbase e gritando ‘vai acabar, eles vão falir!’. Isso se repete a cada nova geração, depois de algum tempo a gente se acostuma.

Hoje em dia é normal criticar a WotC por várias decisões tomadas quanto a demissão de pessoas importantes e queridas pelos fãs, modelos de negócio que não funcionaram ou promessas não cumpridas. Muitas dessas críticas são válidas, a empresa realmente errou em vários momentos.

O engraçado nisso tudo, entretanto, é ver que o pessoal que critica a WotC muitas vezes tem respeito e memórias felizes sobre a TSR, aquela empresa que tratava bem os fãs, tinha mais interesse no ‘rpg arte’ do que lançar dezenas de suplementos e respeitava seus empregados.

Certo. Revisionismo histórico é uma maravilha mesmo.

Na verdade, quem jogava na época e conhecia um pouco mais sobre as coisas funcionavam fora do Brasil sabia que a TSR era criticada por muitos jogadores. Tanto que muita gente chamava ela de T$R. Processos contra os autores dos jogos de D&D, contra fãs que produziam material sem nenhum interesse de fazer lucro e práticas mais do questionáveis na sua tentativa de continuar crescendo no mercado.

Não estou criticando D&D antigão, tive muitas sessões boas nele. Só estou apontando que a TSR não era o exemplo de atitude empresarial que muita gente parece querer mostrar hoje em dia.

O que me motivou a escrever isso foi um twitter do tio Nitro (link) que fala sobre como a TSR mandou um de seus empregados espionar o Gary Gygax (link), um dos criadores de D&D.

Na época Gygax havia se afastado de D&D e da TSR depois de uma série de problemas com a empresa (má administração havia quase falido a empresa e os outros sócios resolveram vender sua parte sem consultar ele). O fato da empresa ter continuado a causar problemas pra ele mesmo depois de ter se afastado dela só ajudaram a piorar as relações do autor com a TSR.

Apesar dele sempre ter comentado sobre essa época num tom mais neutro, algumas declarações do filho e amigos de Gygax mostraram que ele sempre manteve algum ressentimento em relação a TSR.

O artigo apontado pelo tio Nitro mostra uma dessas tentativas de prejudicar Gygax. A história é sobre como a TSR enviou um de seus funcionários para ‘espionar’ um novo jogo de Gary que estava sendo apresentado na Gen Con daquele ano e verificar se ele era uma cópia do D&D (o que eles suspeitavam só porque em algum ponto do processo de desenvolvimento o jogo era chamado Dangerous Dimensions, apesar do título final ter sido Dangerous Journeys). E se fosse possível, conseguir algum comentário que ‘confirmasse’ o plágio para que eles pudessem abrir um processo contra Gygax.

O plano deles era tão ilógico, estranho e cheio de furos que é o tipo de coisa que só pode sair da cabeça de um executivo mesmo. De qualquer forma o empregado foi até lá, sentiu peso na consciência e reportou para seu chefe que não havia motivo para processar Gygax, pois o jogo não era um plágio.

A TSR processou mesmo assim.

Que empresa mágica, alegre e divertida. Gygax e Dave Arneson (o outro autor de D&D) só voltaram a ter boas relações com a empresa dona do D&D quando o rpg passou pras mãs da WotC e houve um esforço dos chefes da nova empresa em melhorar as relações com os dois autores.

Pulando para algo mais alegre, os comentários lá acabaram rendendo o discussões entre pessoas do mercado de rpg, inclusive de um dos filhos de Gygax. Dá pra notar bem como a figura do Gygax ainda é respeitada e admirada pelos rpgistas.

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. Arquimago permalink
    23/07/2010 3:19 pm

    Ele é uma lenda por isso é respeitado. Merece nosso respeito, afinal se tornou uma lenda de herói, boa!

    Quanto as empresas, falamos de uma cria direta e ainda vivente no ninho Capitalista, e jeito Americano de sugar o mundo! Não é uma surpresa… mas uma novidade sim….

    • João permalink
      23/07/2010 5:32 pm

      Não é uma surpresa, infelizmente coisas assim já aconteceram.

      No início da TSR houveram disputas entre dois criadores do D&D, Gygax e o Anerson (que depois se reconciliaram), e depois entre os irmãos Blume e o Gygax pelo controle da TSR.

      Em 1985, Gygax perde definitivamente o controle da TSR para Lorraine Willians.
      Se eu não me engano, os Irmão Blume venderam suas ações da TSR para Lorraine abaixo do preço de mercado para se vingar do Gary Gygax 😦 .

Trackbacks

  1. Como convencer seus jogadores a jogar Tormenta RPG | DADOS LIMPOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: