Skip to content

Convertendo Scion para Smallville RPG

24/11/2010

Aqui vão minhas primeiras idéias para a conversão. Primeiro, estabelecer o que quero na campanha. Estou pensando em usar um grupo de Scions como protagonistas, de preferência jovens e ainda aprendendo a controlar suas habilidades. Vou me concentrar na fase ‘heróica’, quando eles ainda tem poucos poderes, estão lutando contra os servos de Titãs mais fracos e estão aprendendo como vai funcionar a vida deles a partir de agora (o foco inicial da campanha).

Isso é fácil de lidar com o sistema. Ele já pressupõe a possibilidade de poderes para os personagens-jogadores. Como não existem aliens ou coisas do tipo, vou criar uma Heritage adequada.

Heritage Distinction é como são definidas habilidades que o personagem possui por pertencer a alguma raça ou grupo em especial. O Smallville RPG traz opções para Kryptonianos, Atlantes (Aquaman), Ciborgues, Marcianos, Legado Mágico e Nobre Almeracan (outra raça alienígena). Pertencer a um desses grupos traz algumas habilidades novas e facilita a compra de poderes. Em compensação, cada um possui alguma desvantagem (Limit) relacionada.

Vamos ver o que consigo construir. Estou supondo que quem continuar a ler conhece alguma coisa de Smallville RPG, por isso não vou explicar tão detalhadamente as coisas.

Scion Heritage
Filhos dos deuses com mortais, Scions são pessoas que nasceram com dons especiais, concedidos para que possam enfrentar os grandes inimigos de seus pais: os Titãs.
Mesmo que cada divindade conceda poderes diferentes a seus descendentes, algumas características estão presentes em todos os Scions.

d4: Receba (Earn) um Plot Point quando o personagem escolher (Choose) algo que beneficia os interesses de seu pai/mãe divino, em detrimento próprio.
d8: Gaste (Spend) um Plot Point, para ganhar (Gain) acesso a um Extra (2d4) ou Locação (2d4) pelo pelo resto da cena.
d12: Some (Add) um d6 a Trouble pool para usar um efeito especial de uma habilidade relacionada que você não possui.
Limit: Herança.

O primeiro gatilho incentiva que o personagem proteja os interesse de seu pai/mãe divino, o que faz sentido dentro do cenário e da proposta inicial do jogo.

O segundo gatilho serve para refletir algo comum na ambientação, a influência do destino. Seres com dons divinos tendem a criar ligações relacionadas a outros seres e locais. O destino começa a agir, gerando amizades, inimigos, antagonismos e paixões, iniciadas com coisas simples. Escolhi usar dessa opção para ajudar a representar isso. Quando ativada, ela simula um desses vínculos criados pelo destino.

Pode ser que o Scion do Coiote lembre que seu amigo policial está devendo algum dinheiro, desde o jogo de poker da semana passada. E bem quando é necessário verificar o passado daquele colega de trabalho com hábitos estranhos.

Ou pode ser que um determinado local se revele importante para o personagem. Sem ele saber, foi naquele ferro-velho ao lado de sua casa que seu pai/mãe enfrentou um perigoso aliado dos Titãs.

Ou exatamente naquele dia, o restaurante que o personagem está frequentando teve uma sala reservada por um bando de sátiros comemorando a final do campeonato (e eles devem alguns favores para seu pai).

O terceiro gatilho é algo comum de Heritages e que resolvi adicionar. Ela diminui a necessidade de adquirir várias habilidades especiais, pois permite o uso de ‘poderes’ não dominados em troca de dificultar um pouco mais os próximos testes. Vou fazer essas habilidades serem individuais de cada deus (talvez com uma sendo definida pelo panteão). Uma lista de cinco, sendo que vamos ter uma sessão para montar as fichas, então posso ajudar os jogadores a escolherem ou dar uma sugestão de lista.

O Limite de ‘Herança’, representa a necessidade de um item para usar estas habilidades. Esse item costuma ser um presente divino, usado para canalizar os dons concedidos ao Scion. Retirando um exemplo do Scion: Hero, anões construíram para um dos descendentes de Thor um grande revólver. Além do tamanho, o que diferencia o objeto é possuir um pedaço do Mjolnir no lugar do percussor da arma, permitindo ao seu dono acessar sua ligação com o deus do trovão.

Os personagens podem tanto escolher vários itens, associando cada uma de suas habilidades a um deles, ou um único. Não faz diferença real nas regras.

Agora tenho que modificar um pouco a Trilha (Pathway) do jogo. Vou tentar manter o modelo o mais próximo possível do Smallville RPG, porque acredito que ele deve funcionar em Scion com poucas alterações.

Pelo que conheço dos jogadores estou supondo que todos vão ser Scions. Ninguém devem querer jogar com outra coisa. Se fosse o caso, incluiria um outro passo, ainda antes de Origem, para determinar quem nasceu normal, scion ou outros (como um filho de fadas ou de titãs).

Considerando que as coisas continuem como espero, vou conceder para todos o Scion Heritage automaticamente, assim como uma habilidade escolhida de acordo com os dons de seu parente divino. E antes ainda da Origem eles devem traçar uma linha de seu quadrado (personagem) para um círculo (Extra) novo, seu pai/mãe divino.

De todos os passos da Trilha, acho que só preciso modificar a mecânica do primeiro. E de uma forma fácil. ‘Alien’ não se encaixa na proposta do jogo, então fica fora. As outras opções continuam válidas.

Em Evento que Mudou sua vida (Life-Changing Event), apesar de Manifestação ser a opção mais óbvia, as outras continuam funcionando. Mesmo que a primeira vez que demonstrou poderes possa ser um evento importante na vida do personagem, isso não exclui a possibilidade de situações ainda mais marcantes. Como um Scion de Zeus descobrir que é destinado a matar o próprio pai (Destiny). Ou perder a família durante um ataque de uma criatura enviada pelos Titãs (Tragédia).

Durante a criação dos personagens, vou lembrar o grupo que criaturas mitológicas são algo comum no jogo. Então em vez de possuir um professor de universidade (Extra) que conhece muito da história local, eles poderiam ter feito amizade com um fantasma que vivenciou os maiores acontecimentos da cidade nos últimos séculos. Em vez de um capanga (Extra), eles podem ter uma das crias de Cerberus protegendo sua casa. Já no caso de Locações, seria só uma questão de fazer ambientes com o mesmo ar místico e fora do padrão.

Até agora as coisas parecem ir bem. Vou testar essas idéias, talvez tentar criar um personagem exemplo para ver como ele vai ficar. Volto a comentar quando tiver novidades.

One Comment leave one →
  1. Arquimago permalink
    25/11/2010 6:18 pm

    Não conheceço muito o sistema, mas a testo chamou atenção.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: